O QUE PODEMOS APRENDER COM PORTUGAL?

Tempo estimado de Leitura: 4min

Postado em 11 de julho de 2019 / ,
Compartilhe:

Milhares de quilômetros separam nosso país irmão Portugal de nós. Pequenos em tamanho menores que o estado de Pernambuco e com pouco mais de dez milhões de habitantes, Portugal tem sido exaustivamente comentado como exemplo a ser seguido. Mas afinal o que nós brasileiros podemos aprender com Portugal?

Portugal viveu fortes momentos de crise econômica nas duas últimas décadas. A Taxa de desemprego bateu os 12% sendo que o crescimento econômico estabilizou. Com pouca criatividade na economia Portugal assistia ano a ano o empobrecimento do seu país. Com baixa taxa de natalidade outro grave problema era a falta de perspectiva no aumento populacional. Vendo sua população envelhecer, Portugal perdia energia para sair desta que se tornaria uma das maiores crises da história desta nação.

 

A reviravolta começou com aquilo que podemos definir ações de estado. Iniciando reformas importantes em diversas áreas, sendo uma delas as condições para empreender, Portugal criou mais de cem regras para a facilitação do movimento empreendedor, imobiliário e de inovação. Com tais simplificações e iniciativas, Portugal em pouco mais de uma década começa a verdadeiramente emergir das cinzas.

Podemos aprender com Portugal grandes lições. A primeira é que sem ordem nas leis e transparência nos processos não é possível um ambiente empreendedor ser criado ou transformado. Segundo, com boas condições de moradia, segurança, e transporte público, não apenas Lisboa, mas Porto, Cascais e outras regiões de Portugal também conseguiram se transformar em enormes concentrações de empreendedores e hubs de inovação. O que posso perceber hoje em Portugal é que borbulha pelo país iniciativas que renovam espaços, revitalizam áreas e trazem os moradores e estrangeiros rejuvenecendo o espírito e criando muitas oportunidades.

 

Sobre oportunidades o que mais chama a atenção neste país e com certeza é um belo exemplo para nós é a valorização do patrimônio cultural e turístico. Seus vinhos, azeites e gastronomia são sempre apresentados não importa em qual região que você esteja como DNA desta nação. São sim muitos os ativos culturais e históricos isso é sem dúvida inegável. Mas apenas tem valor estes ativos quando em primeiro lugar o cidadão se sente parte da nação. Valorizando, protegendo e conhecendo estas atrações. Em segundo lugar que tais ativos estejam em condições de visitação e suportem o turismo.

 

 

Portugal não apenas fez uma reinvenção do seu modo de empreender. Mas também criou oportunidades em setores como construção para que suas cidades fossem em muitos casos canteiros de obras com retro fits ou ainda novos empreendimentos muitos deles financiados, porém com investimento estrangeiro. Brasileiros estão no topo desta lista de investidores.

Leia artigo: Por que Portugal? 

 

Para nós brasileiros, muitas lições podem ser aprendidas. Temos um enorme potencial natural, cultural e humano. Temos ativos em quantidades incríveis podendo ser com certeza um dos maiores polos turísticos do mundo. Porém tais transformações não acontecem sem que os verdadeiros donos deste patrimônio se empoderem dele. Apenas os próprios brasileiros podem fazer a diferença quando se fala de transformação. Somos nós que iremos mudar a ordem de valor do patrimônio que temos.

Compartilhe:

Posts Relacionados


Portugal e Europa Pós-Covid-19

Cenários possíveis para preparar sua empresa no presente para a internacionalização no futuro   Em dezembro de 2019 foi anunciada Read more

A visão de marketing em Portugal no olhar de uma agência digital

A evolução constante do mercado português, com o PIB (Produto Interno Bruto) que cresce há seis trimestres consecutivos acima da Read more

PORTUGAL – ACESSO A NOVAS EXPERIÊNCIAS

Lá se foram 20 anos. No final dos anos 90, tive minha primeira experiência de viajar pela Europa. Foram mais Read more

EMPREENDER EM PORTUGAL

Há pouco mais de três anos, temos nos dedicado a entender o ecossistema de negócios em Portugal. Mesmo tendo como Read more