PORTUGAL – ACESSO A NOVAS EXPERIÊNCIAS

Postado em 21 de outubro de 2019 /

Lá se foram 20 anos. No final dos anos 90, tive minha primeira experiência de viajar pela Europa. Foram mais de 30 dias e quase uma dezena de países percorridos por avião, ônibus, metrô, trem – e tudo mais que era possível. Minha agenda estava incrivelmente densa com um grupo de mais de 30 pessoas de todos os lugares do Brasil. 

O roteiro inaugural das dezenas de viagens pelo mundo que eu faria depois foi escolhido a dedo, e Portugal era somente um detalhe na época. Fato verdadeiro, pois naquela última década o país passava por um processo de degradação muito forte tanto em sua economia, patrimônio histórico e até mesmo costumes. Uma crescente insatisfação das pessoas com as políticas públicas estruturou um incrível movimento de transformação que estava prestes a acontecer.

Infelizmente, nossa chegada à capital Lisboa se deu da maneira mais sem graça possível. O aeroporto com sua estrutura precária foi o primeiro cenário de degradação. Já no deslocamento até o hotel, era possível ver muita sujeira e prédios abandonados… A região de nossa hospedagem, conhecida como “portuária” começava a ver um raio de renascimento com a recente inauguração do aquário – este, um dos maiores do mundo, já despontava como protagonista das renovações que Lisboa viveria e que se espalhariam por todo o território. Foram poucos dias na capital, mas a sensação de abandono era evidente para nós. O passeio no bonde e o caminhar por Lisboa exigiam dos turistas coragem e até mesmo um pouco de sangue frio.

Nossa viagem por Portugal teve paradas em Coimbra, Porto e Fátima. Coimbra era a que mais sentia a renovação no ar. Porto, por sua vez, parecia de certa forma mais abandonada no tempo. E Fátima, como era de se esperar, estava cheia e emanando a de luz e esperança por todos os cantos daquele país.

 

O PODER DE UMA CULTURA QUE TRANSPASSA O TEMPO

 

Sempre gostei de cozinhar. Como é bom poder transmitir o que percebemos das belezas da vida em refeições e alimentos tão necessários a vida de todos! Portugal, sem nenhuma dúvida, é um dos lugares mais mágicos do planeta quando se fala de gastronomia. Dos fantásticos bacalhaus em todas as suas variações aos vinhos característicos, cuja terra produz com a alma. Minha experiência com Portugal neste sentido foi ímpar. Minha jornada pela Europa começava por Portugal, e uma marca impressa dentro de mim já era definida logo nos primeiros dias: aquela seria uma das experiências mais incríveis de se viver.

O Bacalhau experimentado em todos os locais junto ao – único – vinho do Porto, eu aprofundava e nutria um pouco mais a cada dia minha paixão por tudo que vinha daquele lugar.

Dias depois, entramos na Espanha por terra… Mas ficava dentro de mim um sentimento de que logo mais eu retornaria. Das raízes culturais tão definitivas em nosso país, começando pela língua que falamos e a forma de utilizar alguns condimentos em nossa culinária, Portugal é para os brasileiros bem mais do que um país a ser visitado. Ficou claro para mim a sensação de compromisso em me dedicar a ter Portugal no meu radar de estudos e percepções.

 

FORAM ANOS BUSCANDO ENTENDER O QUE ESTAVA ACONTECENDO EM PORTUGAL

 

Temos uma enorme dificuldade em entender o que realmente importa na vida. Passamos anos fazendo coisas e tendo atitudes que constroem tudo, menos nossa felicidade. Quando é que paramos realmente para avaliar o que estamos fazendo de nossas vidas? Bem, a resposta sem dúvida é (quase) nunca. Se o tempo é nosso bem mais perecível, por que o valorizamos tão pouco? Focar no que é importante e de valor deveria ser nossa maior fortaleza. O tempo nos mostra a importância de viver o presente, pois apenas o presente é importante. O passado é e sempre será aprendizado. O futuro? Intangível. Pode ser apenas um plano. Mas o presente… Ah, ele é o nosso maior presente.

Lembrando daquele passado que não saía da minha cabeça, comecei a perceber o quanto Portugal estava em meu presente. Foram muitas vezes que me deparei com o país sendo apresentado como uma nova força, por todos os ângulos que eu estudava. Os governos tinham reformas a partir de definições de estado, e logo depois de anos e anos de marasmo e apatia. A atitude parecia começar a fazer efeito, apresentando resultados iniciais na economia, no turismo e no ambiente empreendedor. Portugal iniciava sua nova jornada de protagonismo na Europa.

Bem, esta história com Portugal não podia ser diferente. Lá estava eu, analisando o ecossistema empreendedor no mundo, estudando e visitando ecossistemas empreendedores… Esta rotina havia sido muito mais que meu trabalho nos últimos dez anos, pois se tornou literalmente a minha vida. Minhas atividades estão sempre direcionadas ao que chamo de “cultura de startup”. Neste universo, sempre olho os movimentos mundiais a partir do contexto de cada país. Cada ecossistema tem o DNA da comunidade local que o iniciou. Desta forma, nunca teremos outro Silicon Valley, como não teremos outro Valley do Dendê. São as características de cada local que constroem seu diferencial.

 

PORTUGAL SEMPRE SE APRESENTANDO COMO UMA POSSIBILIDADE DE RENOVAÇÃO

 

Há cerca de quatro anos, estava eu à frente de um instituto de tecnologia no ABC paulista. Como uma das atividades deste instituto, tínhamos um acordo de cooperação com o governo do Peru. Neste acordo, participávamos de algumas ações no Brasil e no Peru. Uma das ações era uma feira peruana bastante relevante sobre ecossistema de inovação. Neste evento, dezenas de empresas locais apresentavam a empresários do mundo inteiro suas soluções e inovações.

Estávamos em um evento com uma delegação de cerca de vinte empresários brasileiros. Já neste tempo, fazíamos missões pelo mundo todo conectando o Brasil a outros países. E na fila de credenciamento, um português muito simpático se apresentou a mim e a meu sócio como um “descobridor do Brasil”. Risos a parte, iniciamos ali uma amizade que seria na verdade uma nova imersão em Portugal. Naquele momento, começou a fazer sentido para mim, ao ouvir daquele português, a comprovação de muitos dos estudos que eu vinha fazendo sobre daquela nação. Possibilidades econômicas, crescimento no turismo, incentivos do governo e da união europeia, forte entrada de brasileiros e os diversos hubs de inovação ao longo do país despontavam e reforçavam minhas expectativas em relação a Portugal.

O evento no Peru acabou abrindo poucas portas para nossa missão de brasileiros, mas essencialmente a amizade com aquele português viria a mudar muito minha vida. Os meses seguintes com sua companhia serviram para entender melhor quais atividades eram desenvolvidas e quais eram os movimentos que Portugal estava se destacando.

Seis meses após aquele primeiro contato, começamos a estruturar a vinda de um dos sócios do português ao Brasil para entender se haveria aderência das soluções em tecnologia que eles estavam desenvolvendo em Portugal (para o Brasil). Preparada a sua vinda, seria novamente um novo ponto de inflexão neste relacionamento Brasil-Portugal. 

 

UMA NOVA JORNADA SOMENTE SE INICIA QUANDO PERCEBEMOS O CAMINHO

 

pouco mais de três anos atrás, em um mês de agosto, durante uma longa semana visitando empresas de tecnologia, estive apresentando o que seriam as “oportunidades de Portugal” para muitos empresários brasileiros. Planilhas, power points e uma infinidade de documentos e informações eram mostrados para poder despertar o interesse do público sobre Portugal. Confesso, nada fácil. Que complicado fazer as pessoas perceberam o que as vezes é óbvio a você. Cansados em nosso último dia, aquela semana terminaríamos em um local dos mais tradicionais de São Paulo em um almoço que renovaria nossas forças.

Para quem é de São Paulo, sabe bem o que é uma padaria. Poucos locais caracterizam tanto a vida dos paulistanos do que as padarias. Local de encontros, café da manhã, almoços, compra dos mais diversos produtos – e com certeza uma pequena amostra do que a de melhor em salgados do mundo. As padarias navegam pelas culinárias brasileira, italiana, portuguesa, árabe e etc. Trazida pelos portugueses para o Brasil e sendo um dos locais onde mais se encontram a comunidade portuguesa, as padarias são sem sombras de dúvida um marco da influência portuguesa no Brasil. Mas não se engane: padaria no Brasil como existe em São Paulo, dificilmente você encontrará em outro local.

E lá estávamos nós dois almoçando e conversando sobre aquela semana. Era inerente um pouco de frustração… O que sentíamos não era exatamente desânimo, mas não havia sido uma semana fácil. Após muito tempo conversando, surge então um insight que mudaria profundamente nossos planos. A questão era: como mostrar aos empresários e interessados em Portugal o que realmente estava acontecendo de transformador por lá e por que isso representava uma oportunidade para nós brasileiros?

 

ATLANTIC CONNECTION, ESTAMOS VENDO ALGO NOVO NO AR

 

Uma boa forma de mostrar o que estávamos pensando, seria fazer um grande evento… E através de palestras e painéis com empresários, agentes e empresas que já estavam atuando em solo português, mostraríamos aos interessados o que de fato estava ocorrendo. Desta forma, não se trataria mais de tentar provar algo, mas sim apresentar o concreto. Ali mesmo naquela padaria criaríamos o nome Atlantic Connection.

Definimos que neste evento teríamos uma Demo Day qual premiaríamos uma startup levando-a para maior evento de tecnologia do mundo que acontecia em Lisboa, o Web Summit. Pensamos no local e no escopo do evento. E com mais alguns detalhes, iniciamos o que seria uma das mais emocionantes jornadas da até então Atlantic Hub.

Foram meses intensos de preparação, trabalho árduo, complexo, evangelizador, mas acima de tudo muito divertido e prazeroso. Colocamos de pé com muito pouco recurso um evento para mais de cem pessoas. Tínhamos painéis e palestras de primeiro nível. Um Demo Day com vinte startups e mais de dez jurados. Naquela ocasião, a startup vencedora do nosso primeiro concurso foi a Go Epic, responsável por uma solução com realidade aumentada e virtual para a indústria. Hoje eles se posicionam hoje como uma solução bastante inovadora para a indústria 4.0. Com o prêmio e a participação no Web Summit, eles conseguiram projeção mundial e hoje estão se posicionando bem no mercado europeu.

O primeiro Atlantic Connection foi realmente um marco para nós. O que aconteceria após este momento, nem nós mesmos tínhamos a real noção de tudo que estava por vir.

De lá pra cá o evento cresceu e ganhou força, só em 2019 contamos com de 250 empresários em busca de conhecer mais a fundo o mercado português. Confira um resumo de como foi o Atlantic Connection 2019 clicando aqui.

 

WEB SUMMIT COMO MOTOR DO EMPREENDEDORISMO EM PORTUGAL

 

Finalizado o Atlantic Connection, começamos enfim a ter empresários, empreendedores e agentes interessados no que estava acontecendo em Portugal. Apesar de ser nosso plano elaborar uma missão para o Web Summit com empresários interessados, foi após o Atlantic Connection que percebemos a viabilidade de enfim colocar a nossa missão de pé.

O Web Summit em Portugal marcou o início de uma transformação radical do empreendedorismo de impacto baseado em cultura de startups em terras lusitanas. Por si só, o evento já é o maior no segmento do mundo, reunindo ano a ano cada vez mais pessoas. Na edição de 2018, mais de sessenta mil pessoas estiveram presentes. O que presenciamos em Portugal foi a união de um grande evento com interesses genuínos em promoção como motor de desenvolvimento.

Nossa primeira missão para o Web Summit, assim como o primeiro Atlantic Connection, nascia com as validações inerentes a qualquer início de projeto. Organizamos as agendas de atividades dos brasileiros, conectamos os principais hubs de inovação em Portugal para as visitas, e colocamos em salas de treinamento muitos articuladores e influenciadores no ecossistema português para contar como estavam ocorrendo as transformações no país e como, para nós brasileiros, isso representava uma boa oportunidade.

Em 2018 levamos para Portugal mais de 100 empresários brasileiros sendo a maior missão empresarial do Web Summit, confira como foi abaixo.

 

Falando sobre a Missão Web Summit, contamos em outro post as oportunidades que possam aparecer cada vez que nos colocamos abertos a novas experiências. Afinal, missões são oportunidades!!!
Confira clicando aqui

 

NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS

Quem quer fazer algo tem que literalmente fazer. Digo sempre que o mundo está cheio de boas ideias, mas muito pouco se vê em ações concretas. Fomos a campo, colocamos de pé o primeiro Atlantic Connection e a primeira missão para o Web Sumit. O que veríamos depois seria um crescimento exponencial digno das startups que tanto queremos em nosso portfólio de investimento.

Iniciar uma empresa é sempre um desafio enorme. Começar um movimento então dos envolvidos paixão constante e muita força para acreditar em um processo onde evangelizar os incrédulos é um mantra a ser dito todos os dias

Nossa jornada no Brasil construindo a “ponte” para Portugal apenas está no início. Hoje, temos condições de oferecer aos interessados em internacionalizar seus produtos e serviços, um estudo de aderência na Europa a partir de Portugal – como na fase seguinte, literalmente abrir sua empresa por lá com total suporte nas mais diversas questões. Avançamos muito, mas temos certeza que nosso propósito é ainda maior.

Em 2018 tivemos no Atlantic Connection mais de cento e oitenta pessoas, e em 2019 este número chegou perto dos trezentos. Temos presenciado diariamente que os brasileiros que iniciaram uma jornada fora do Brasil sem o mínimo preparo, colocam em risco sua vida, dignidade e em muitos casos fragilizaram as relações familiares a ponto de ser revista sua posição retornando ao Brasil em condições piores às iniciais.

Nossa missão é oferecer condições a brasileiros interessados em iniciar uma nova jornada pelo mundo. Seja empreender, investir ou ainda simplesmente morar. Nossa experiência pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso. Nascemos em Portugal, porém percebemos as dores no Brasil e de milhares de brasileiros que querem ter uma verdadeira experiência de vida a partir de Portugal. Este é um país não-estrangeiro para nós. Herdamos costumes, cultura e influências em todos os sentidos. Caminhar por terras portuguesas é, em muitos sentidos, um reencontro com nossas origens e sensações.

Se por um lado toda a carga histórica vem a nosso favor, por outro não podemos relativizar os desafios. Portugal é outro país e possui suas próprias particularidades. Entender as diferenças nos ajuda a mergulhar nas semelhanças.

 

ESTÁ NA HORA DE O BRASIL DESCOBRIR PORTUGAL

 

Por vezes chega a ser engraçado como nossa vida se confunde com Portugal. Vivemos mais no fuso horário das terras lusitanas do que no horário de Brasília, e ano após ano cresce o número de empresas que nos procuram a fim de entender como podem abrir uma base por lá. O movimento de interessados no tema enche nossos painéis, salas e palestras. Se por um lado é gratificante ver este movimento sendo agora alicerçado e assim reduzindo as chances de falha, percebemos cada vez mais nossa responsabilidade em oferecer os melhores serviços para este contingente de brasileiros que podem literalmente mudar Portugal e fortalecer nossa cultura.

A descoberta de Portugal pelos brasileiros é também um resgate às nossas origens e ao nosso berço cultural. Redescobrindo Portugal, temos a chance de bebermos do conhecimento de uma sociedade que já resolveu boa parte dos problemas que nós ainda estamos resolvendo. Por que reinventar a roda se utilizar um modelo mais moderno é mais fácil, custa menos e com certeza é muito mais rápido de implementar? A transformação que Portugal está fazendo em sua sociedade, infraestrutura e organização social pode ser para nós o start de uma nova fase. Auxiliar Portugal neste processo é com certeza auxiliar o Brasil na construção do país que queremos.

Nos dá Atlantic Hub não temos como objetivo exportar brasileiros para o mundo ou mesmo para Portugal. Queremos sim ser a “mola” de transformação do Brasil por meio de seres humanos e empresários que conscientes da sua responsabilidade de transformação, mergulham neste conhecimento e desta forma aceleram suas empresas a ganhar escala no mundo. Analisando por este viés, Portugal é nossa melhor opção: pouca restrição na língua, cultura similar, condições meteorológicas parecidas e um povo que adora nossa brasilidade e muito mais.

Desejo que possamos abrir nossos olhos para Portugal e compreender a enorme oportunidade que temos diante de nós. Nossa experiência ao longo destes anos pode sim ser a melhor e a mais eficiente forma de iniciar esta nova fase. 

Convido você, leitor, a navegar por nosso site, se inscrever em nosso canal e interagir conosco. Nossas missões são uma ótima degustação do ecossistema de Portugal. Nossos eventos no Brasil podem ser para você interessado no tema um MBA nesta área do conhecimento.

Prazer enorme ter você comigo nesta leitura.

Sempre que quiser, entre em contato conosco.

Benício Filho

Country Manager Brasil

Atlantic HUB