Temos muito o que aprender com Portugal

Postado em 20 de julho de 2020 / ,

Quem acompanha o nosso blog sabe que esse pensamento sobre Portugal não é novidade. Recorrentemente voltamos a esta sentença em artigos, vídeos ou mesmo em nossas palestras e eventos on line.

Mais uma vez, diante do momento que vivemos de pandemia, Portugal mostra seu protagonismo ao mundo. Logo no início, analisando como a Espanha e a Itália estavam lidando com a pandemia e suas consequências, Portugal, mesmo com poucos casos do novo coronavírus em seu território, determinou ações de lockdown à sua população e restringiu acesso a suas fronteiras.

Sob a liderança de Marcelo Rebelo de Souza, Portugal se organizou e mostrou união ao mundo. Diversos poderes federais, organização civil, instituições religiosas e demais movimentos mostraram harmonia. E ao redor das ações propostas à população, aderiram novas condições, reduzindo drasticamente as infecções e evidenciando que tais ações sempre foram as melhores formas de combater a pandemia.

O resultado não poderia ser outro: número reduzido de mortos e uma retomada da economia [Saiba mais.] em tempo recorde. Mas, afinal, qual a receita de sucesso da organização e mostra de civilidade portuguesa?

Estabilidade Política

Há muito tempo falamos das condições favoráveis para nós, brasileiros, empreendermos e morarmos em Portugal.

Historicamente Portugal sempre mostrou seu ímpeto desbravador avançando sobre os mares e descobrindo o mundo. Em uma recente reforma econômica que remonta a crise de 2008, presenciamos uma grande retomada de ações por parte dos poderes organizados que promoveram, através da iniciativa privada e órgãos de fomento, uma enorme onda de investimentos em inúmeros setores.

Além da reforma, o fato da estabilidade política acontecer independente de quem está no poder é o que realmente gera condições para que os investimentos deixem o campo das promessas e realmente se tornem realidade.

O INVESTIMENTO PÚBLICO E PRIVADO PRECISA DE ESTABILIDADE

As reformas econômicas iniciadas em governos anteriores, após a grande crise econômica de 2008, apenas tiveram o sucesso que tiveram porque encontraram nos governantes posteriores o mesmo compromisso.

O que presenciamos em Portugal se deve, basicamente, ao fato de que reformas são questões de estado e não de ideologias. Quando é percebido por empresas e investidores que existe estabilidade em uma nação, o fluxo de capital e de empreendedores se torna um fato e não uma promessa.

Um país pequeno em território e população poderia facilmente ser engolido por outras nações caso sua postura fosse de timidez ou medo. Portugal, após a grande crise dos últimos anos, corrigiu erros em sua estrutura de incentivo à economia e criou novos hubs de inovação em todas as áreas e setores produtivos.

Das tradicionais vinícolas, que tiveram uma nova onda de modernização e retomada; novas tecnologias, sendo algumas de ponta. O que temos visto em Portugal nos motiva a continuarmos nossa missão de ajudar empresários e empreendedores brasileiros a ganharem o mundo a partir do país europeu.

Setor imobiliário

Um setor que não poderia deixar de comentar, é o setor imobiliário. Após as reformas efetuadas neste período pós-crise, começa-se a despontar como um dos setores mais atrativos para investimentos da história recente de Portugal.

As mudanças efetuadas nas leis que desanimavam investidores a construir ou reformar prédios e casas, pois era quase impossível tirar do imóvel um locatário, alteraram drasticamente o cenário.

O que vemos hoje em Portugal, mesmo em tempos de pandemia, é um crescente aumento dos investimentos imobiliários – sejam eles para a aquisição, compra, venda ou reforma de imóveis – por todo lugar e cidade que se circula.

Leis, ordem, estabilidade e liderança. Não é mágica, mas sim, é possível reconstituir uma nação mesmo diante de taxas enormes de desemprego e em uma economia pouca dinâmica.

Reformas, clareza nas ordenações, estabilidade e liderança são as ações necessárias para uma incrível alteração na rota.

A LIDERANÇA DE MARCELO REBELO É UM EXEMPLO PARA TODOS OS LÍDERES

Durante esta pandemia, muitas são as lições que podemos aprender no campo empresarial e humano.

Estamos sempre atentos como as nações se comportam diante dos movimentos empreendedores e diante dos desafios que temos. Analisando como as nações europeias se comportaram diante da pandemia temos, por exemplo, o péssimo exemplo do primeiro ministro inglês Boris Johnson. No início da pandemia, chegou a dizer que o coronavírus era algo muito tranquilo e em alguns momentos ridicularizou as ações de recolhimento.

A Inglaterra chegou a ter um aumento crescente do número de mortes, enquanto muitos pubs ainda estavam lotados. Após reconhecer que havia subestimado o vírus e, ele mesmo ter sido infectado e chegando a passar uma boa temporada na uti, o país adotou medidas fortes para reduzir a contaminação.

Itália, Espanha e França adotaram medidas similares de restrição vendo seus números de infectados atingirem grandes proporções e iniciando sua queda depois de medidas mais restritivas.

Portugal, sob a liderança de Marcelo Rebelo, logo no início teve um posicionamento coerente e assertivo. Fazendo uso dos protocolos indicados pela OMS [Saiba mais.], o país estabeleceu restrições e toda a sociedade civil esteve sempre alinhada, não criando fatos de divisão e tendo sempre um exemplo a seguir na presidência.

Um dos momentos mais interessantes da liderança do presidente se deu justamente nos últimos dias da quarentena quando ele, sem seguranças e vestido como um simples cidadão, fazia em um mercado local suas compras.

Mantendo o distanciamento social e com o devido uso de máscara, Marcelo Rebelo protagonizava uma das cenas que viria a viralizar na internet como exemplo a ser seguido.

A RETOMADA DA ECONOMIA JÁ COMEÇOU EM PORTUGAL

Acompanhando as ações de Portugal, já esperávamos que a retomada da economia fosse iniciada.

Para nossa satisfação, nós podemos retomar nossas atividades em nosso escritório no bairro do Chiado, em Lisboa – e presenciar, que mesmo com a retomada, a população tem sido cautelosa com as aglomerações e tem respeitado como norma o distanciamento social,  o uso de máscaras e todos os cuidados determinados pelos órgãos de vigilância.

A retomada da economia em Portugal pode ser percebida pelo crescente movimento de investidores e empresários. Mesmo com a pandemia, não presenciamos uma parada no fluxo de investimentos.

Compras e vendas de imóveis continuaram. Nós, da Atlantic Hub, percebemos inclusive um aumento no número de empresas com interesse em iniciar um estudo de internacionalização.

A quantidade de companhias que solicitaram proposta de Market Fit foi, para nós,  bastante interessante, mas não podemos dizer que ficamos surpresos. Acreditamos em ações anti-ciclos e uma das mais interessantes é justamente fazer estudos para ampliação de mercados em momentos em que eles estão em transformação. E o momento que vivemos tem essas características.

Se por um lado Portugal mostra sinais de que a retomada já é uma realidade, a confusão que vivemos hoje no Brasil reforça aos empresários a necessidade de apoiar suas empresas em fontes mistas de receitas.

Ter geração de caixa em moeda forte com estabilidade de governo e ações é, acima de tudo, um forte apoio estratégico. Vale a pena aprofundar esta reflexão e começar o quanto antes a pensar de forma estruturada nesta possibilidade.

 

Sobre o autor,

Benício Filho.

Country Manager Brasil da Atlantic Hub.

Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela UNIFESP em Neurologia Oftalmologia na área de Empreendedorismo e pós graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador da Palestras & Conteúdo, Sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal), atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio), além de participar de programas de aceleração como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros. Palestrando desde 2016 sobre temas como Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência, já esteve presente em mais de 300 eventos (número atualizado em dezembro de 2019). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul) bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas”.