Produto Brasileiro em Portugal é Tendência?

Postado em 7 de outubro de 2020 / ,

Há algumas dezenas de histórias interessantes sobre produto brasileiro em Portugal que nós poderíamos contar a você, provenientes de estudos de aderência ou ainda dos programas de internacionalização que fizemos para Portugal. 

Muitas delas foram construídas a partir de insights ou de informações relevantes que foram consolidadas como grandes oportunidades de mercado. A verdade sobre produto brasileiro em Portugal é que bem além do nosso ímpeto empreendedor, o que mais precisamos quando falamos de internacionalizar um produto é ter os pés no chão.

Somos conhecidos por quase o mundo todo como a nação mais empreendedora do planeta. Sempre queremos fazer algo, mas quase nunca estamos apoiados em planejamento ou estudos. 

Outro ponto importante é que poderíamos definir o Brasil como um continente. Grandes regiões e dezenas de estados com particularidades únicas que criaram ao longo das décadas produtos com nosso DNA. 

As diversas regiões brasileiras têm culturas completamente diferentes. Nossa biodiversidade vegetal e animal gera valor e oportunidades, mas a pergunta que fica: Produto genuinamente brasileiro tem mercado em Portugal?

Antes de responder esta questão, gostaria de contar a você alguns cases. Mas lembrá-lo que, não basta ter um produto inovador para acreditar que tem diante de si um bom negócio. Produto sem cliente não é nada. 

 

A SAGA DO PÃO DE QUEIJO 

Provavelmente o pão de queijo é o produto que mais já fizemos estudos ou fomos abordados sobre a existência ou não de mercado para ele em Portugal. 

A história do pão de queijo em Portugal ilustra bem uma resposta a questão se produto  brasileiro tem ou não mercado em Portugal. 

Genuinamente brasileiro com histórias diferentes sobre sua origem e sempre atreladas ao estado de Minas Gerais, o pão de queijo é com certeza um dos produtos brasileiros que mais definem nossa brasilidade. 

Grandes marcas e presente em todo o território nacional, é difícil encontrar um brasileiro ou mesmo um turista que já tenha vindo ao Brasil e que não tenha experimentado esta delícia da nossa terra. 

Há pouco mais de dez anos, uma grande marca brasileira fez sua entrada em Portugal partindo do pressuposto que seria impossível os portugueses não comerem esta delícia. 

Nos acostumamos a comer um pão de queijo sempre acompanhado de um café, mas será que este costume poderia ser replicado em Portugal?

Bem, sempre falamos em nosso programa de internacionalização que saber se existe aderência do seu produto em Portugal passa por compreender a questão cultural também.

Em Portugal, é tradição tomar café acompanhado de um doce. Os famosos pastéis de nata são apenas uma das delícias que Portugal tem. Eles somam quase uma centena de doces deliciosos que sempre estão presente a mesa dos portugueses. 

Qual foi o resultado do pão de queijo neste primeiro momento? Fracasso enorme. Grandes investimentos em marca, lojas e estruturas foram completamente perdidos sem que ele, o pão de queijo, entrasse na vida dos portugueses. 

Sem cliente, não adianta ter um bom produto. Hoje o pão de queijo é relativamente comum em Portugal, mas jamais esqueça que para a popularidade de hoje muitos empresários perderam capital justamente por não compreender questões culturais como essenciais para o sucesso deste processo. 

O pão de queijo é um sucesso hoje. E se fosse analisarmos, diríamos que o produto brasileiro tem sim mercado em Portugal, mas a pergunta que faço a você é:

Você está disposto a ser o empresário a investir, não colher nada e abrir caminho para os seguintes?

Para compreender o que é ter fit do seu produto em Portugal, recomendo a leitura deste artigo: https://www.atlantichub.com/2020/07/13/o-seu-produto-tem-fit-com-o-mercado-portugues/

 

O AÇAÍ É O NOVO PÃO DE QUEIJO? 

Produto brasileiro tem, sim, seu espaço em Portugal, na europa e no mundo. Mas não se esqueça que modismos são extremamente perigosos quando estamos falando de negócios.

Um produto quando concebido a partir de um modismo pode ter prazo de validade curto, não sustentando ao longo do tempo os investimentos feitos. 

Hambúrgueres gourmetizados, barbearias, açaí ou tantos outros produtos ou serviços podem representar determinado momento e não um comportamento humano. 

Produto brasileiro que representa nossa cultura e nosso DNA pode ter seu lugar ao sol, sim, mas não deve estar apoiado em modismos momentâneos. 

O açaí é uma desses produtos que representam o Brasil mas passam pela mesma curva do pão de queijo. Seu consumo no Brasil está atrelado a um hábito da região norte que se espalhou pelo restante do país. 

No norte o açaí é uma refeição. Em São Paulo, um lanche. E em outras regiões tem outras formas e hábitos de consumo. Seu gosto é forte e está sempre associado ao consumo em conjunto de frutas ou outras delícias. 

Como o consumo deste produto tão característico no Brasil poderia ser feito em Portugal? Resposta complicada que passa pela pesquisa, prova prática de degustação e análise de resultados.

Sempre existe um percurso a ser feito quando a questão é a entrada de um produto em outro país. Jamais podemos relativizar a questão cultural em detrimento da paixão pelo produto. 

Produto brasileiro tem, sim, espaço no mundo. Mas para que seu lugar ao Sol seja realmente lucrativo, planejar e compreender como a inovação pode ajudá-lo, é essencial.

Para aprofundar o tema de aderência de um produto em Portugal, recomendo a leitura deste artigo: https://www.atlantichub.com/2020/04/28/seu-produto-ou-servico-tem-mercado-em-portugal/

 

NOSSO DNA TEM ESPAÇO NO MUNDO TODO 

Recentemente estive em um evento no Acre. Fiquei encantado ao conhecer duas dezenas de produtos brasileiros que já escalaram mercado na Europa. Todos tinham em comum a sua origem. 

Estes produtos além de serem autenticamente brasileiros, tinham origem na diversidade da Amazônia e respeitavam a cadeia de sustentabilidade em sua produção. Produtos com esta origem têm cada vez mais espaço em Portugal e na Europa como um todo. 

São inúmeros os exemplos. De alimentos com origem em frutas regionais a móveis produzidos com madeira de manejo florestal, a linha de produtos é imensa. Portugal reconhece este valor e temos nosso espaço por lá. 

A marca Brasil é reconhecida, mas não é garantia de sucesso para seu produto. Produtos brasileiros tem apelo e características quase sempre únicas. A questão é que os consumidores precisam ser como costumeiramente digo, evangelizados para seu consumo. 

 

PORTUGAL É APENAS A PORTA DE ENTRADA

Portugal é apenas a porta de entrada para a comercialização de algum produto brasileiro. Acessar uma economia com mais de 700 milhões de consumidores é o que realmente representa ter sucesso com seu produto em Portugal.

Construir uma história vitoriosa para produto brasileiro em Portugal está bem mais distante de acreditarmos que nosso produto tem mercado por lá.

A jornada de apresentar um produto ao mundo, primeiro tem seu início na criação das condições necessárias e na adaptação cultural.

Validar a experiência, construir uma cadeia de distribuição e gerar uma percepção de valor em Portugal representa sua correta entrada em uma economia que enxerga valor para produtos brasileiros. 

 

 

Sobre o autor:

Benício Filho.

Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós-graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela UNIFESP em Neurologia Oftalmológica na área de Empreendedorismo e pós-graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador dá Palestras & Conteúdo, Sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal). Atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio), além de participar de programas de aceleração como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros. Palestrando desde 2016 sobre temas como Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência, já esteve presente em mais de 300 eventos (número atualizado em dezembro de 2019). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul) bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas”.