Health tech e o que vem por aí

Tempo estimado de Leitura: 11min

Postado em 21 de março de 2022 /
Compartilhe:

Como compreender as oportunidades em empreender na Europa no segmento de Health Tech? Neste artigo, aprofundamos o tema com uma visão holística deste segmento. 

 

O segmento de health tech apresenta consistentemente uma oportunidade de investimento. Quando digo aqui investimento apresento tanto a possibilidade de aberturas de empresas neste segmento, bem como investimento mesmo em startups.

Sabidamente com o envelhecimento da população as áreas que cuidam de saúde e bem-estar têm aumentado seu protagonismo, mas a pandemia acelerou este processo.

Analisamos negócios e estruturamos programas de internacionalização neste segmento há muitos anos. Temos, inclusive, acompanhado a evolução dele.

Identificamos inclusive alguns negócios mais interessantes para investimento neste setor. 

Neste artigo, gostaria de refletir sobre algumas novidades que percebemos e aprofundar o movimento consistente de percepção de valor que este setor tem incrementado.

Um ponto de destaque importante em Portugal no segmento Health Tech é que a sexta startup unicórnio em Portugal é uma health tech. 

Vale ressaltar que uma unicórnio é uma startup que tem valor de mercado acima de um bilhão de euros. 

HEALTH TECHS EM DESTAQUE EM PORTUGAL 

A Sword Health é o sexto unicórnio português. A startup portuguesa fechou uma rodada de investimento série D no valor de 189 milhões de dólares (cerca de 167,6 milhões de euros à atual conversão). Desta forma, a avaliação da empresa está agora situada acima do valor para ser considerada uma unicórnio.

Em nosso fundo de investimento Core Angels Atlantic também aprovamos o investimento de uma startup brasileira no segmento health tech neste último mês.

Por força de acordos de NDA ainda não podemos dizer o nome, mas assim como na Europa, o Brasil também tem se movimentado neste setor. 

Mas como os desafios em nosso país, a regulação que depende do governo pode implicar em atrasos superiores a cinco anos na obtenção de licenças. 

Tal demora impacta em atrasos que inviabilizam muitas das startups deste segmento no Brasil. Aqui, comento da oportunidade que o setor apresenta em Portugal. Local em que estas licenças são mais fáceis de ter sua liberação.

O report Station Review aprofunda esta visão de startups na Europa construindo uma boa visão do segmento.

A TECNOLOGIA E O SETOR HEALTH TECH 

Empreender no segmento de health tech atualmente é essencialmente conhecer de tecnologia. Bem além do conhecimento médico, o que está em voga no segmento é a conexão dos dois mundos.

O conhecimento médico e a adoção de tecnologia transforma soluções tradicionais em boas oportunidades para obtenção de escalas e otimização de recursos. 

A tecnologia pode ser considerada onipresente nas novas empresas que buscam destaque neste segmento. Assim, construir um modelo que beba dos dois mundo se torna essencial.

 

 

ALGUMAS TENDÊNCIAS DO SEGMENTO HEALTH EM PORTUGAL

 

TENDÊNCIA (1) – TELEHOMECARE

O surgimento de doenças crónicas é uma preocupação global que pressiona os recursos de saúde. Telehomecare é uma maneira inovadora de prestar assistência, monitorar um paciente e fornecer informações através do uso de tecnologias de telecomunicações, que permitem a interação de voz, vídeo e dados relacionados à saúde. 

A monitorização permite a identificação precoce da doença e, portanto, a prevenção de condições crônicas. 

Espera-se que o segmento de Telehomecare seja o segmento de crescimento mais rápido nos próximos anos. 

Existem já vários países como o Reino Unido que estão a trabalhar em planos de promoção e demonstração destas soluções, contando também com o apoio das universidades.

TENDÊNCIA (2) –  ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO 

O impacto do envelhecimento demográfico na União Europeia (UE), será muito significativo nas próximas décadas. 

As taxas de natalidade sistematicamente baixas e o aumento da esperança de vida estão a transformar a forma da pirâmide etária da UE-28.

Em 2018, Portugal era o 3.º país da UE com o maior Índice de envelhecimento da população, com 157,4%, surgindo atrás da Itália e Alemanha. A média da UE era de 132,3%.

Esta tendência irá, com certeza, ter um forte impacto no mercado e nas soluções que venham a ser desenvolvidas, nomeadamente, no setor da saúde.

TENDÊNCIA (3) –  INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL  

A inteligência artificial (IA) veio revolucionar a prestação de cuidados de saúde. A IA permite o desenvolvimento de ferramentas inovadoras como assistentes virtuais de saúde, prestar informação e até ser uma companhia, no caso de doentes , desempenhando um importante papel no apoio a cuidados menos especializados.

Do ponto de vista da gestão hospitalar, a IA pode também auxiliar os gestores na tomada de decisão, através da análise de informação e do cruzamento de dados disponibilizados nos vários sistemas de informação. 

A IA pode ajudar também na implementação das estratégias mais eficazes, com base na análise dos episódios de urgência, conjugando com relatórios da atividade gripal dos anos homólogos, por exemplo.

TENDÊNCIA (4) –  DISTANCIAMENTO SOCIAL 

A presente pandemia que está a ser enfrentada pelo mundo inteiro, obrigou as comunidades a estabelecer distanciamento social em muitas atividades do cotidiano.

Vários estudos indicam que as regras impostas para travar o Covid-19 têm um forte impacto nos  hábitos de consumo presentes e também futuros. Desta forma, espera-se que a população repense idas aos hospitais e clínicas desnecessariamente, abrindo portas para a expansão de serviços como a Telemedicina e Home Care.

TENDÊNCIA (5) –  ENGINEERING COMPANIONSHIP

A solidão é uma questão social que cada vez mais se revela um problema de saúde pública. À medida que a esperança de vida aumenta, mais a população enfrenta o envelhecimento sozinha e há uma série de serviços novos e inovadores que têm vindo a resolver esta questão.

A startup de robótica japonesa Groove X revelou a Lovot na feira de tecnologia CES 2019. Um robô que oferece companheirismo e carinho com sensores que permitem que interaja com o utilizador, respondendo a abraços, apertos e carícias. O objetivo não é substituir as relações humanas, mas sim preservar a capacidade do envolvimento emocional, “Se amar algo todos os dias, então tem o poder do amor”.

TENDÊNCIA (6) –  PERSON-CENTERED CARE

O cuidado centrado na pessoa terá uma abordagem holística para o atendimento domiciliar. Esta abordagem está a ganhar mais tração e terá um grande impacto na indústria de cuidados domiciliares nos próximos anos.

Com o atendimento centrado na pessoa, as empresas de atendimento domiciliar concentram-se no atendimento domiciliar integral ao paciente. 

Além disso, para fornecer melhor qualidade de atendimento e resultados para o paciente do ponto de vista clínico, o atendimento centrado na pessoa também prestará igual atenção à saúde emocional, social, espiritual e financeira do paciente. 

Esta abordagem requer uma formação adicional aos profissionais de saúde e também o foco adicional na medição da qualidade do serviço entregue.

POR ONDE COMEÇAR? 

Gostou do conteúdo? Bem tentei aprofundar o cenário de health tech e ainda apresentar algumas tendências do segmento. 

Conhecer bem o mercado é essencial. Um processo de internacionalização tem seus desafios que não podem ser ignorados. 

Sistematicamente, auxiliamos empresas e empresários que querem internacionalizar e empreender em Portugal. Lembre-se, você não está sozinho. Conte conosco neste processo. 

Fez sentido para você? Então vamos começar a planejar sua internacionalização? Bem, agende um momento para conversarmos e juntos discutiremos seu futuro em Portugal.

Forte abraço! 

 

Sobre o autor,

Benício Filho – Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós-graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela Universidade Metodista de São Paulo na área de Educação e pós-graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atualmente também está concluindo o curso de bacharelado em Filosofia pela universidade Salesiana Dom Bosco. Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador dá Palestras & Conteúdo, Sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), sócio fundador da Agência Incandescente, sócio fundador do Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal), atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio), além de participar de programas de aceleração como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros. Palestrando desde 2016 sobre temas como Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência, já esteve presente em mais de 230 eventos (número atualizado em dezembro de 2020). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul), bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas” e em dezembro de 2020 “Do Caos ao Recomeço”.

 

 

Compartilhe:
Tags:

Posts Relacionados


Visto D2 para empreendedores em Portugal: o que é e como adquirir

Se você quer abrir uma empresa em Portugal ou quer trabalhar no país como autônomo, saiba que existe uma possibilidade: Read more

Agências de Publicidade: do Brasil para o mundo

Basta realizar uma busca nos sites de emprego para verificar que há muitas vagas em agências de publicidade para os Read more

Atlantic Station: o ponto de partida para a internacionalização da sua empresa

O ano de 2011 foi marcante para Portugal. Foi quando o país sofreu uma de suas piores crises, mas também Read more

Os 10 erros mais comuns em um processo de internacionalização

Ao longo dos últimos oito anos, estudamos e apoiamos centenas de empresas no processo de internacionalização.  Acreditamos que internacionalizar é Read more